Tatiana Maslany eleita a melhor atriz na televisão

17 de Julho de 2017

Vulture nomeou a Tatiana Maslany como a melhor atriz na televisão nos seus prémios anuais da Vulture TV Awards.

Maslany faz parte de uma tradição de estrelas que aparecem em múltiplos subtramas da mesma história e às vezes agem com (e contra) elas mesmas numa cena. O filme e a história da TV são preenchidos com exemplos de atores que interpretam dois ou mais personagens na mesma narrativa. […]

Também é verdade que estes tipos de performances não ocorrem num vácuo criativo. Todo o ator de televisão depende, até certo ponto, de colaboradores da equipa, bem como do elenco. Maslany seria a primeira a dizer-lhe que, quando desempenha vários papéis em Orphan Black, ela está em pé sobre um andaime construído por outros profissionais: guionistas, maquilhadores, duplos (Kathryn Alexandre foi a principal stand-in de Maslany e “parceira de cena” em todas as cinco temporadas), e especialmente diretores e cineastas.

Não só Maslany pregou todas as facetas deste desafio desde a primeira temporada de Orphan Black, ela chegou ao ponto em que cada clone tem especificidade e profundidade que, se a série de repente decidir se concentrar principalmente na Rachel ou Alison ou Cosima nos seus episódios finais, eu dúvido que muitos espectadores se queixem. Maslany embeleza cada personagem com tantos detalhes que já estamos a perguntar-nos o que está a acontecer nas cabeças deles quando eles não estão a falar, ou quando não estão no ecrã.

Ao clicar aqui podem ler o artigo completo sobre a escolha da Vulture.

Publicado por: Juliana Maia
Categorias: Artigos, Notícias, Tatiana Maslany
comentários

Tatiana Maslany e Ben Lewis falam sobre “Apart From Everything”

13 de Maio de 2017

Numa recente entrevista com o etalk, a Tatiana Maslany e Ben Lewis falam sobre a curta-metragem Apart From Everything.

À primeira vista, é fácil supor que o papel mais desafiador de Tatiana Maslany seja fazer malabarismos com todos os personagens clonados e o enredo em Orphan Black, pelo qual ela foi recompensada com um Emmy e quatro Screen Awards. Mas, se perguntares a ela, “a maior pesquisa [que ela] já fez para uma personagem” foi para a curta-metragem sobre uma alcoólica em recuperação, realizado por um dos seus amigos mais próximos.

“Quando li, realmente estava com medo do papel”, disse Maslany numa entrevista exclusiva em Los Angeles, em Abril. “Por causa da natureza do que ela estava a passar, não tinha muita experiência, o álcool e tudo o que nunca fez parte da minha vida.”

Em Apart From Everything, Maslany interpreta Fran, uma mulher que se procura conectar com a sua noiva Lana e a sua família depois de passar algum tempo no tratamento de abuso de álcool. Parcialmente inspirado por J.D. Salinger’s Franny e Zooey, isto marca a primeira colaboração entre Maslany e Ben Lewis com ele como seu diretor. A estrela de Regina aproximou-se de Lewis para realizar e ajudar a adaptar a curta.

“Estava a tentar escrever sobre isto, mas o que fiz foi transcrever o diálogo exacto do livro e estava, curto!” – disse Maslany, com uma risada.

“Eu lembro-me que tu escreves-te nele, ‘Este é o meu livro favorito e sempre quis fazer uma curta”, e tu disseste,’ Get to work, ‘ou algo assim,” disse Lewis. “Mas, tu sempre estiveste na minha mente. Tu sempre foste a Fran.”

Maslany e Lewis conheceram-se pela primeira vez há uma década, quando interpretaram namorado e namorada no set de Stirs of Echoes: The Homecoming, um filme de televisão de 2007 que também estrelou Rob Lowe.

“Trabalhamos juntos em tantas experiências colaborativas, fizemos muito”, disse a atriz de 31 anos, a tomar nota de várias peças e produções nas quais os dois trabalharam como um par. “O Ben surpreendeu-se com o instinto natural que tem para realizar, o que obviamente vem de uma educação sobre cinema e teatro e atuação, e também, ele fez todo o trabalho como ator, feito através de coisas e classes, e adora contar histórias, ele é o melhor contador de histórias que conheço.”

Apart From Everything também recebeu algum amor no circuito do festival de cinema. Este teve a sua estreia mundial em Londres no BFI Flare Festival em Março, e ele vai apresentar-se perante o público norte-americano pela primeira vez no Toronto Inside Out Festival a 26 de Maio.

“É uma comunidade realmente grande e realmente sinto-a como a minha comunidade em termos de filme e da comunidade LGBTQ, então estou muito feliz por exibi-lo [no Inside Out]”, disse Lewis.

“Irreversivelmente, o filme costumava ser sobre uma personagem que está a alcançar e a agir para o perdão, mas tu nem sempre és capaz de obter isso das pessoas, nem sempre és capaz de obter o que queres. Então, em última análise, é sobre como viver com isso e aprender a perdoar-te a ti mesmo, a fim de avançar.”

De facto, Lewis e Maslany tiveram uma experiência colaborativa tão grande em Apart From Everything, que meses depois do filme terminar a produção, eles juntaram-se novamente quando ela serviu como uma das suas damas de honra no seu casamento com o colega e ator, Blake Lee.

“Sim, outra experiência colaborativa selvagem”, brincou Maslany. “Eu estava a soluçar muito mais, como, do que eu já chorei naquele casamento.”

“Sempre o coloco através da campainha, de alguma forma”, disse Lewis. “Eu não sei, acho que eu era um noivo mais frio do que fui um diretor.”

“Não, tu és um diretor muito frio”, disse Maslany, antes de acrescentar, a meio de uma risada, “menos frio noivo.”

Brincadeira de lado, Lauren Collins, que serviu como produtor na curta, foi também ao casamento, como também foi Aubrey Plaza.

Collins e Lewis anteriormente trabalharam juntos na sua curta-metragem de 2014 Zero Recognition, que Lewis também realizou. O filme mais tarde ganhou o Prémio William F. White para Melhor Comédia, e para Lewis, levando a cabo esta parceria criativa fez todo o sentido. Os dois estão atualmente a desenvolver o seu primeiro recurso como uma equipa.

“Tive muita sorte em [Apart From Everything] para realmente conseguir fazê-lo com os meus três melhores amigos”, disse Lewis. “Com [Tatiana], Lauren e o meu amigo Mercedes a produzir, senti-me incrivelmente seguro e protegido. Confio em todos os três, e isso é uma espécie de sonho.” Maslany concorda e acrescentou: “Acho que vamos sempre trabalhar juntos”.

Após a estreia de Apart From Everything no final deste mês, Maslany tem um calendário muito ocupado. A temporada final de Orphan Black tem a sua estreia no canal Space a 10 de Junho, e o filme Stronger, no qual ela estrela ao lado de Jake Gyllenhaal, vai chegar aos cinemas a 22 de Setembro.

“É isso que vou fazer, depois vou dormir para sempre”, disse Maslany, com um sorriso.

Publicado por: Juliana Maia
Categorias: Artigos, Entrevistas, Filmes, Notícias, Tatiana Maslany
comentários

“Stronger” já tem data de estreia nos EUA

10 de Abril de 2017

Stronger, filme sobre um sobrevivente do ataque terrorista da Maratona de Boston 2013 que ajuda a polícia a apanhar os autores do ataque ao mesmo tempo que recupera do trauma, tem estreia marcada nos Estados Unidos para 22 de Setembro de 2017. Em Portugal o filme ainda não tem data de estreia.

Publicado por: Juliana Maia
Categorias: Filmes, Notícias
comentários

Tatiana e elenco de “Orphan Black” falam sobre a última temporada

26 de Março de 2017

Leiam em baixo dois artigos sobre o painel de Orphan Black no PaleyFest, que se realizou este dia 23 de março em Los Angeles, e no qual a Tatiana Maslany e o elenco da série falaram sobre como foi filmar a última temporada da série.

Tradução do artigo publicado pela Variety:

Fãs de Orphan Black, conhecidos como o Clone Club, têm um tratamento especial no PaleyFest – um olhar antecipado à estreia da quinta temporada, que só vai ao ar a 10 de junho. O elenco e crew despediram-se da série 36 horas antes do painel.

Tatiana Maslany comentou: “Todos os dias era o adeus a alguém. Foi emocionante. Foi triste. Foi incrível.” A equipa é muito unida e Maslany foi sincera quando falou sobre o que mais sentiria falta. “A comunidade, o Clone Club e o set – é diferente de qualquer coisa que eu já experimentei”, disse ela.

Um dos grandes argumentos da temporada final é a longevidade. O co-criador Graeme Manson observou: “John [Fawcett] e eu sabíamos que, nesta série feminista, há um homem no topo. Alguém tem que trazer o homem para baixo. Pense na figura patriarcal mais malvada – o homem mais velho do mundo. Westmoreland é o cão do topo, como o Dr. Evil.”

A clone Rachel também percebeu o seu verdadeiro potencial de vilã, revelou Manson. “Rachel é muito profunda e muito poderosa.” Fawcett acrescentou: “Queríamos que a Rachel subisse ao topo através da sua vilania. Nós gostamos de encontrar os aspectos mais profundos e contradições no personagem.”

Outro enredo importante é o romance de “Cophine” entre a clone Cosima e a cientista Delphine, retratada por Evelyne Brochu. Manson reconheceu o efeito que a relação teve nos fãs. “É uma série sobre clones que aborda a diversidade”, disse ele. “A relação entre a Cosima e Delphine tem o mesmo peso que qualquer relacionamento heterossexual. É a mais importante história de amor da série.”

Brochu acrescentou: “Se a nossa série pode ter este pequeno impacto, se esta inspira a realidade a ser mais do que deveria ser, há tanto orgulho. Delphine é uma das personagens mais importantes que já interpretei.”

Quando a conversa girou em torno dos vários clones que a Maslany interpreta (neste momento 9 ainda vivos) a atriz disse: “É sempre a maior mente- no planeta e sempre cheia de erros”. A estrela também elogiou a sua colega, Kathryn Alexandre, pelo seu desempenho consistentemente que é invisível na tela, mas é essencial como a Maslany não pode fazer cada cena necessária para a cobertura.

Tradução do artigo publicado pela Entertainment Weekly:

Menos de 48 horas depois das filmagens da série Orphan Black terem sido finalizadas, o elenco e os criadores voltaram a juntar-se na passada quinta-feira no PaleyFest em Los Angeles, onde o Clone Club estava em força total para ver a temporada final e dizer adeus.

Com as emoções ainda cruas de filmar a última cena de Orphan Black a milhares de quilómetros de distância na manhã de quarta-feira, a vencedora do Emmy, Tatiana Maslany, contou esses momentos finais, o que significou dizer adeus a cada um dos seus clones.

“Quando finalizamos com a Cosima, foi como, ‘Isto foi o final para a Cosima’, e então fui tirar a maquilhagem e roupa pela última vez”, ela disse. “Foi estranho. É um trabalho de cena pesado, mas apenas dizer adeus a tantos personagens nos últimos dois episódios, envolvendo pessoas com quem trabalhamos desde a primeira temporada e envolvendo clones que eu tenho desde a primeira temporada… Foi um monte de despedidas e lágrimas e muita gratidão porque chegamos tão longe, porque conseguimos fazer cinco temporadas.”

[…]

Como evidenciado em recentes imagens lançadas, a quinta temporada também reunirá Cosima e Delphine (Evelyne Brochu), um casal que resistiu a mentiras, problemas de saúde e assumiu a morte para ter o mais amado relacionamento da série, algo que fez todos os envolvidos extremamente orgulhosos.

“O principal problema nunca foi o serem duas mulheres apaixonadas, e acho que isso é libertador e fantástico”, disse Brocho.

Manson acrescentou: “Isto realmente fala do coração da série. Esta relação é muito importante para todos nós, para ter esta parceria que está no mundo de Orphan Black, que é testada e cheia de confiança, mas no centro dela, deve ter o mesmo peso que qualquer relacionamento heterossexual que vês na TV. Estes são apenas dois personagens que se amam. O que há de errado nisso?”

Com o painel a chegar ao fim, o elenco respondeu a uma última pergunta: Qual é o vosso clone favorito? A tarefa foi especialmente dura pelo facto de que ninguém no palco, mesmo Maslany, conseguir lembrar-se de quantos ainda estavam vivos.

Houve pouco consenso entre o grupo, com todos as principais sestras recebendo algum amor. Kristian Bruun (Donnie) virou as costas para a sua esposa e escolheu a Helena; Jordan Gavaris (Felix) escolheu a Krystal que chegou tarde à série, mas o mais hilariante foi a escolha de Kevin Hanchard (Art) que escolheu Katja. “Ela foi mal interpretada e a sua chama foi apagada muito cedo”, disse ele, rindo.

Como os fãs podem esperar, Maslany ficou neutra, compartilhando o seu apreço por todas as suas personagens únicss e diversificadas. Mas sem escolher um favorito, ela tomou nota do quão difícil foi despedir-se de uma em particular. “Foi realmente difícil dizer adeus à Alison”, ela compartilhou, “porque nunca vou poder interpretar esta personagem novamente.”

Publicado por: Juliana Maia
Categorias: Artigos, Notícias, Orphan Black, Tatiana Maslany
comentários
Página 3 de 1512345...10...Última »